A bondade desarma

A bondade é a única chave para encontrar e dialogar com o homem.

de Rosanna Tabasso
 


Quando começamos a conversar sobre o bem no Arsenale, levou algum tempo para entender seu significado. Na linguagem comum, os gostos antigos são iguais a goodism e não são considerados um valor. Os mocinhos são os que não podem fazer nada mais importante, são perdedores ou, pior ainda, hipócritas.

Até um dia, quando queríamos reagir contra uma pessoa que nos caluniava, um amigo nos disse: “Você não pode fazer isso! Você é bom. " Em sua resposta, havia a filosofia de transformar um arsenal de guerra em um arsenal de paz: desarmar com a bondade. Para nos lembrar, construímos um muro rachado no pátio do Arsenale com os nomes das nações onde trouxemos um sinal de fraternidade e a inscrição: a bondade é desarmante. Dia após dia, essa escrita começou a falar à mente e ao coração de todos e a palavra bondade recuperou sua profundidade. Afinal, é a síntese do estilo de vida do Evangelho, o das bem-aventuranças: bem-aventurados os mitos, bem-aventurados os pobres, bem-aventurados os que choram, bem-aventurados os pacificadores ... pessoas que escolhem viver como Jesus Cristo, sabendo que ele terá um futuro em que ele será consolado, encontrará misericórdia, herdará o reino ... (cf. Mt 5)

Sem pregação, sem cruzada, mas a escolha pessoal de testemunhar a Jesus Cristo e seu Evangelho através de gestos, palavras, fatos concretos. O estilo de vida das bem-aventuranças passa apenas assim: alguém acredita, apesar de todas as suas limitações e fraquezas, tenta, sem presunção, sem se sentir melhor que os outros, com modéstia, com humildade. O Mestre, o único por todos, é de fato Jesus Cristo, o Senhor. É a quem olhamos escolhendo a bondade.

"As divisões de hoje vêm dos erros de ontem, falta de caridade, mal-entendidos, interesses e medos" está escrito nesta página da Regra. Todos devemos tomar consciência disso, antes de mais a nível pessoal, porque cada um de nós sofreu algo com alguém e, se não o dissolve completamente, o ódio sempre o envenenará. Todos reagimos se nos sentimos atacados e, muitas vezes, na base do ódio que circula entre pessoas, não há malícia real, mas a reação instintiva a um ataque sofrido. Às vezes, perdemos a consciência disso, mas ele permanece registrado nos arquivos de nossa memória. Para optar por desarmar a nós mesmos, devemos também purificar nossa memória, refazer o passado, libertar-nos daquilo que bem enterramos em nós.

As famílias muitas vezes têm em sua memória injustiças sofridas, divisões, perdão nunca dadas ... Surgem mesmo depois de anos, envenenando a vida de várias gerações. É preciso muito pouco para os irmãos se dividirem, os pais se entregarem às preferências. O livro de Gênesis nos ensina a história de José e seus irmãos, filhos do patriarca Jacó, e ainda mais a história de Caim e Abel, a de Abraão e seus filhos Isaac e Ismael. Você deve ter a coragem de cavar a memória de sua família e fazer as pazes com o passado.

É assim em todos os níveis de convivência, mesmo em nossas fraternidades. Freqüentemente, o Evangelho e o testemunho caem em segundo plano, atrás e muito, para o nosso eu ferido, para o nosso sentimento colocado em segundo plano ou para qualquer outra situação de conflito. Muitas vezes os desgostos são mais fortes do que a vontade de construir juntos, o rancor nos divide, nos isola, apenas eu existo. É o caso de edifícios, bairros, parlamentos ...

Todos temos que fazer alguém pagar por alguma coisa, todos queremos tirar algumas pedrinhas do sapato antes de pensar no bem comum. Mas, portanto, não temos futuro! "Não são as demandas que aproximam os homens, mas a bondade que nos torna buscadores da justiça, pessoas solidárias". Todos nós respiramos o negativo hoje. Mas reclamar não é necessário, protestar não é necessário. Antes, é necessário começar a mudar o ar e preparar um futuro em que os bons se reconheçam, se unam, façam o impossível pelo bem.

Questo sito utilizza i cookies. Continuando la navigazione acconsenti al loro impiego. Clicca qui per maggiori dettagli

Ok