Bem-vindo com compaixão no coração

A pena é saber como realmente se colocar no lugar do outro, os feridos, os decepcionados, os traídos ...

de Rosanna Tabasso

 

Para onde está indo o mundo que conhecemos, o que estamos vivendo? Essas perguntas estão constantemente girando em nossas cabeças, nós as repetimos como um refrão que vem à mente por si só. Ouvimos notícias, conversamos com pessoas, fazemos tarefas domésticas e percebemos que a pobreza aumenta; sentimos o medo de que o contágio nos atinja e esse pensamento não nos faça viver: aumenta o sentimento de precariedade, perda, medo, raiva diante das dificuldades de mais e mais pessoas.

E então a terra treme aqui e ali, chove e o alerta climático começa imediatamente, está quente e as geleiras derreterão, está frio e está escuro, poeira fina, poluição ... O alarmismo diante de eventos naturais isso nos torna ainda mais inseguros. Somos envenenados por esse senso de precariedade e a reação provavelmente será pior que o problema. O risco é fechar, ficar triste, deixar-se viver ou ficar surpreso ao esquecer. Mas há outra possibilidade: mudar de opinião e escolher o estilo do samaritano indicado por Jesus no Evangelho: sair do cavalo, deixar de lado nossa segurança anterior e aprender um novo refrão para viver desta vez, aprender compaixão, abra seu coração e coloque a inteligência a seu serviço. A inteligência sem coração não é suficiente, também é necessária a capacidade de competir e essa faculdade do coração pode direcionar a inteligência para aprimorar recursos inesperados. "Piedade é saber realmente se colocar no lugar do outro com amor e responsabilidade" repete a Regra do Sim e esse é o novo refrão a ser aprendido rapidamente e a viver neste hoje cercado pelos pobres e sem esperança.

O tempo de Jesus não deveria ter sido tão diferente do nosso se multidões de pessoas sem pão o seguissem e, às vezes, ele precisava fugir secretamente daquele cerco. Jesus olhou para eles e foi movido por eles, sentiu compaixão e disse-lhes: "Vinde a mim todos os que estão cansados ​​e oprimidos, e eu os refrigerei" (Mt 11, 28). Ele não tinha riquezas para distribuir, mas esperava despertar nelas.

Nós, modernos, rejeitamos a emoção porque ela nos foi apresentada como sentimentalismo, mas também porque ela se concentra no que está faltando e que somos incapazes de controlar e resolver, nos faz sentir impotentes, descobertos. Crescemos numa época em que tudo está ao nosso alcance, podemos fazer tudo com nossas próprias forças, podemos resolver tudo sozinhos. E onde somos incapazes de resolver por conta própria, removemos o problema, como doença ou morte.
A emoção fornece um envolvimento que assusta aqueles que estão acostumados a resolver tudo em uma sequência progressiva de pergunta-resposta, necessidade-solução. Hoje, no entanto, sentimos que essa sequência não se sustenta mais, não há mais recursos suficientes para levá-la adiante com nossa força humana. Para nós, este momento é uma oportunidade para a conversão do coração. Para aprimorar o que mais nos caracteriza como pessoas: siga em direção ao outro, ame-o. Os solavancos deste tempo podem ajudar-nos a redescobrir a nós mesmos, a encontrar a nós mesmos e o sentido da vida. Conhecemos pessoas e voltamos para vir.

Podemos contribuir para recriar um tecido de humanidade em nossos bairros, em nossos países, talvez a partir dos condomínios onde moramos.
A compaixão nos educa, assim, a superar a indiferença, conhecer pessoas, reconhecer seus esforços, permanecer próximos. Talvez não tenhamos ótimas soluções para oferecer àqueles que perderam o emprego, àqueles que não têm casa, àqueles que têm uma pessoa doente em casa ... mas não teremos medo de nos deixarmos tocar pelo sofrimento da humanidade daqueles que abordamos, ouvimos, nos familiarizamos com eles. E então, quando o coração está aberto, a inteligência se ativa para procurar respostas de solidariedade, talvez mudando nosso estilo de vida: dedicar algum tempo para ouvir, acompanhando uma pessoa em dificuldade; experimentar que você pode abrir sua própria casa para uma pessoa idosa solitária, uma mãe e seu filho, para compartilhar algo concreto com aqueles que não têm mais o necessário. Nada de novo, simplesmente a redescoberta da compaixão como resposta à complexidade disso hoje, uma resposta que devolve sentido à vida.

Questo sito utilizza i cookies. Continuando la navigazione acconsenti al loro impiego. Clicca qui per maggiori dettagli

Ok