Italiano English Português Français

Não é o vestido que nos distingue

Não é o hábito de dizer que pertencemos a Deus, mas a bondade, amando um ao outro, se estima entre nós.

de Rosanna Tabasso

 

Em uma de suas viagens à Jordânia em 2004, um padre deu a Ernesto algumas pequenas cruzes de cobre do século IV dC. feita por cristãos condenados ao trabalho forçado em uma antiga mina de cobre no deserto perto de Aqaba. Impressionado com essas descobertas, Ernesto pede para poder visitar aquele lugar de dor e fé.

No diário do Arsenal da reunião de 30 de abril, observa-se: «Partimos de madrugada para o sul da Jordânia em direção a Finas, uma vila no meio do deserto onde, durante as perseguições de Diocleciano, milhares de cristãos morreram nas pedreiras de cobre . Com os pedaços de cobre, eles fizeram pequenas cruzes para permanecerem apegados a Deus, cavando ainda hoje, é possível encontrar as cruzes feitas por esses pobres! Nesse lugar, você pode respirar um ar particular, ouve o silêncio de um deserto que conta a fé desta terra santa ".

Quando soubemos que era hora de fazer uma cruz para a Fraternidade, não tínhamos dúvidas em dar-lhe a forma das pequenas cruzes da Finas. Uma forma que nos lembra as dores do mundo, os perseguidos por suas idéias, os mártires de ontem e de hoje. Colocar esta cruz em volta do pescoço é como pegar o bastão de irmãos que morreram por sua fé, séculos atrás como hoje, e reviver esse símbolo em nossas vidas. Gravamos a marca dos mortos e ressuscitamos Jesus e aos seus pés Maria, sua e nossa Mãe. Por trás, a síntese do testemunho que queremos trazer com a nossa vida: "Amados, amamos". Usamo-lo em volta do pescoço para dizer que somos de Cristo e pertencemos à Fraternidade. É um sinal de uma identidade pessoal e, ao mesmo tempo, comunitária, mas, acima de tudo, o compromisso de dar testemunho do que a cruz representa, é como dizer a nós mesmos "lembre-se de quem você faz".

Aqueles que o usam repetem, como tantos cristãos perseguidos de todas as épocas, as palavras de Paulo: "Para mim, viver é Cristo e morrer é um ganho" (Fp 1:21) e está ciente de trazê-lo do próprio batismo para o batismo dos maior amor. O símbolo é para nos ajudar a lembrar quem somos, para quem vivemos, a quem confiamos nossa vida: para Cristo, com Cristo, em Cristo. É para nos ajudar a direcionar toda a nossa pessoa para ele. A Regra do Sim nos lembra: "Carregar esta cruz é dizer que pertencemos ao Senhor e à sua Igreja; lembra-nos do total sim e da missão que o Senhor nos confiou: transmitir esperança àqueles que sofrem, aos famintos de carinho, pão e justiça, treinar e "reparar" os jovens para o bem, trazê-los de volta a Deus ».

A cruz que carregamos em volta do pescoço não é acompanhada por um vestido em particular que nos distingue: "Não é o hábito que diz que pertencemos a Deus, mas sim a bondade, o amar um ao outro, a estimamos entre nós mesmos, reconhecendo melhor o outro". . Com toda a nossa fragilidade e imperfeição, o que nos diferencia não é a aparência externa, mas o saber estar entre as pessoas com um coração acolhedor, disponível para o outro, não agressivo ou cheio de julgamento; somos distinguidos pelos gestos de atenção às necessidades do outro, o espírito fraterno, a capacidade de ouvir: "Se formos habitados por Deus, teremos o perfume dele" (da regra do Sim) e o comunicaremos ao povo.

No entanto, há um vestuário apropriado para a missão para a qual somos chamados. É simples e digno, adequado ao tempo e lugar em que vivemos. Não nos distingue nem pela elegância nem pela negligência, é o vestido das pessoas que trabalham, que é gasto com os outros, um vestido que não ofende as pessoas mais pobres com quem convivemos, nem é chamativo nem refinado, porque todos se sentem à vontade . Simplesmente reflete o estilo sóbrio que toda a vida de um cristão deve assumir no uso de bens materiais, no consumo de recursos, em não acumular, em não desperdiçar o respeito à criação.

Jesus nos dá a chave quando ele nos diz: «Não se preocupe com sua vida, com o que você vai comer ou beber, ou com seu corpo, com o que vai vestir; A vida não vale mais que comida e o corpo mais que roupas? (…) Então não se preocupe em dizer: “O que vamos comer? O que vamos beber? O que vamos vestir? ". Os pagãos estão procurando por todas essas coisas. De fato, seu Pai celestial sabe que você precisa. Em vez disso, busque antes de tudo o reino de Deus e sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a você "(Mt 6,25-26,31-33).

Questo sito utilizza i cookies. Continuando la navigazione acconsenti al loro impiego. Clicca qui per maggiori dettagli

Ok