A oração é uma realidade da Presença

Rosanna Tabasso - QUELLO CHE CONTA

Orar é retornar o tempo a Deus, ser unificado pelo Espírito.

de Rosanna Tabasso

 

O Evangelho desafia cada geração: estar no mundo, mas não no mundo. E toda geração, em todo período, se adapta ao seu pedaço do mundo, mas é sempre o Espírito Santo que inspira novas formas de testemunho, adaptadas aos tempos. Nos primeiros séculos do cristianismo, os cristãos foram perseguidos e acreditar era morrer pela fé. Desde o século IV, o cristianismo se tornou uma religião reconhecida e viver poderia ter parecido mais fácil; na realidade, a ameaça de que o sal perdesse seu sabor era real e quem quisesse viver o Evangelho em sua radicalidade sentiu que precisava se afastar do mundo e de seus tentáculos, retirar-se para lugares desertos, viver em extrema solidão para ser plenamente de Deus. de monges unidos, começaram a viver juntos e a vida comum tornou-se a nova maneira de dizer o Evangelho: veja como eles se amam, Deus nunca o viu, mas se nos amamos, Deus permanece em nós ... Séculos após a mentalidade o mundo ainda tenta sufocar o cristianismo, mas o Espírito Santo desperta em homens como Bento, Dominic, Francisco ... novas formas de vida comum em mosteiros espalhados por todos os cantos da Europa atual; lugares de fé que se abriam para o exterior: os monges e as pessoas com eles cultivavam a terra, dedicavam-se aos pobres, deram a conhecer o Evangelho ... E assim por diante, até o século XIX, quando os santos cristãos fizeram caridade com os pobres. testemunho, enquanto a sociedade cristã da época os marginalizava: São Vicente de Paulo, Dom Bosco, Cottolengo ...

Somos filhos do século XX, o século de um cristianismo organizado de forma generalizada, de modo a abranger toda a sociedade e até a vida política ... mas mesmo esse tempo passou revelando suas perigosas armadilhas: a de uma fé que deixa o coração e reduz a um cartão de membro, o de um poder que prende o Evangelho. Quando os cristãos deixam de ser um pequeno rebanho, param de depositar sua confiança no Senhor, são imediatamente capturados pela mentalidade do mundo e se perdem. Hoje nosso tempo representa um novo desafio para nós. Depois das tentativas historicamente fracassadas de construir um sistema político cristão que impõe o evangelho do alto e depois da separação do mundo que muitas vezes caracterizou formas de monasticismo, o novo desafio é uma terceira maneira que o teólogo ortodoxo Pavel Evdokimov chama de "monasticismo internalizado". . Um novo caminho para os leigos, consagrados e casados ​​que, pela graça do batismo comum, vivem o Evangelho inteiramente em família, trabalho, vida social, como em mosteiros ou eremitérios. No silêncio interior, na escuta, no serviço. No mundo, mas não no mundo, como fermento na massa. Totalmente de Cristo. Não mais cristãos de fachada, escondidos atrás de um rótulo, mas pessoas habitadas pelo Espírito, capazes de viver suas vidas diárias na presença de Deus.

Nesta vida cotidiana, os cristãos descobrem e reconhecem a presença de Deus na história, nas pessoas, nos fatos concretos que vivem, nas obras que realizam. Para eles, Deus está em todos e em tudo. É a presença que acompanha, é o presente. Essas pessoas vivem suas vidas com tudo o que isso implica e nunca estão sozinhas: Ele é o Presente. Eles são casados, mães e pais da família e se sentem habitados por Deus como freiras, monges, padres são: Ele é o Presente. Eles trabalham manualmente, têm responsabilidades, se mudam, estão sozinhos ou juntos com os amigos: ele está presente, santifica tudo, torna preciosas todas as suas obras, porque toda ação humana é um sinal de sua presença divina. Nada é mais banal, óbvio e inútil em sua vida, porque em tudo é santificado pela Presença de Deus, pela obra do Espírito Santo, que realiza o projeto do Reino de Deus entre nós.

A oração deles é essencialmente encontrar a Presença de Deus em contínuo diálogo com ele, como diz a Regra da Fraternidade: "Nós olhamos para ele e sentimos olhados por ele. Moemos continuamente seu louvor: você é bom Senhor, use-me, ajude-me, misericórdia, misericórdia" ». Mas não é uma oração que isola, pelo contrário, ajuda a encontrar sua presença na vida cotidiana: «Portanto, nosso dia é marcado pelas horas de oração que se entrelaçam com a vida: rezar e agir, rezar e amar, rezar e ficar em silêncio, rezar e opere, ore e ouça ».

É a oração que inerva nossa vida cotidiana e traz Deus de volta aos dias de hoje, não o exclui de nenhum aspecto de nossa vida, mas traz tudo de volta, mesmo os mais humildes para ele e para seu projeto. Mesmo se somos diferentes por estado de vida, somos leigos, casados, consagrados, sacerdotes, orações, pois a Presença de Deus nos une a todos e nos torna todos igualmente responsáveis ​​pelo Reino de Deus entre nós. Talvez, como Fraternidade e na vida de nossos Arsenais, somos verdadeiramente chamados a viver nesta terceira via, o caminho confiado a pessoas unificadas pelo Espírito, pessoas totalmente acolhidas pelo amor de Deus e ao próximo, testemunhas da Presença de Deus na vida da humanidade e da humanidade. neste tempo, sempre e sempre tempo de Deus.

 

Questo sito utilizza i cookies. Continuando la navigazione acconsenti al loro impiego. Clicca qui per maggiori dettagli

Ok