Amados amamos (2/2)

Jesus nos amou até a cruz, um mistério de amor que derrota o mal.

de Rosanna Tabasso

 

“Você esquece uma mulher do seu filho, para não ser movida pelas entranhas do filho? Mesmo que se esqueçam, nunca te esquecerei "(Is 49,15). Assim, Deus declara seu amor eterno e incondicional por cada um de nós. Ele nos pede para experimentá-lo pessoalmente, para dissolver a dúvida de que Deus realmente nos ama e superar a suspeita de que ele quer nos "subjugar" mais como mestre do que como pai. De fato, alcançar a confiança é essencial para andar com Deus, para viver nesta terra com Deus no coração. No relacionamento amoroso entre Deus e eu, ele primeiro declara sua lealdade a mim e a mim que a experimentamos, confiamos, para repetir com o salmista: “Meu pai e minha mãe me abandonaram, mas o Senhor e ele me pegou ”(Sl 27.10).

O coração da nossa fé é saber que somos amados por Deus e cremos nele. Jesus nos apresenta esse relacionamento de confiança com Deus, porque Jesus é um de nós, mas também é um com o Pai. Quando questionado por um médico da lei sobre qual é o grande mandamento, ele não pronuncia palavras e responde: «Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a alma e de toda a mente. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo é semelhante ao seguinte: você amará seu próximo como a si mesmo "(Mt 22,36-39).

Esse duplo que você amará contém todos os mandamentos dados por Deus a Moisés e transmitidos a nós pelas Escrituras, e nos dá uma maneira diferente de vivê-los: não por obrigação, mas por amor, não por dever, mas por escolha, não por medo de ser punido ou conveniência, mas responder ao amor de Deus.Os profetas do Antigo Testamento tentaram ajudar o povo de Israel - e nós também - a entender que Deus era diferente das divindades das grandes religiões antigas, ele era diferente dos ídolos: eram necessários ganhando o favor de tornar a vida aceitável, sacrifícios precisavam ser feitos para obter benefícios. Eles repetiram que Deus, o criador e o pai, não quer sacrifício, ele quer amor, ele quer ser amado. E o amor não conhece o dever, a força, o medo. Quem dentre nós gostaria de ser amado por dever ou por medo? Sabemos o que queremos daqueles que nos amam, até Deus sabe disso. Ele nos deu seu coração e deseja o coração de cada um de nós.

Da confiança de ser amado tão fortemente por Deus, nosso amor flui, quase como um reflexo dele: amado, amamos.

Amados, também amamos é o coração de nossa Regra e resume exatamente esse caminho que cada um de nós seguiu sob a orientação das Escrituras e pela graça do Espírito Santo. Resume a experiência que cada um de nós viveu quando sentiu que era amado sem reservas por Deus.

Somos tão desajeitados, somos tão pobres que, se partíssemos de nós mesmos, teríamos muito pouco a oferecer. Há momentos em que nos sentimos felizes por pertencer a ele e não é um fardo estar com ele, momentos felizes em nossa vida, momentos de emoção em que sentimos que o coração também se abre para a oração de ação de graças, de louvor e sentimos que é bom estar com ele. Ele. Então esses momentos passam e todos os nossos trabalhos humanos e dificuldades que Jesus conhece bem ressurgem. Freqüentemente nosso amor por ele se traduz simplesmente em um grito, ao gritar com ele nossa necessidade de ajuda em nossa solidão, nas dores e nas grandes provações que temos que enfrentar em nossa vida. ele sabe disso e o que quer de nós é que também o procuremos no julgamento.

Nossa vida flui através de mil esforços, mas não interrompemos nosso diálogo nascido da confiança que ele nos ama, nascido da busca de responder ao seu amor pelo nosso. Toda a nossa vida pode se tornar um diálogo com Ele. Nada o separa de nós, nem mesmo o maior pecado. Quando o coração se abre para o amor de Deus, sente a alegria de se sentir amado não por seus méritos, pela perfeição que adquire, mas como é, com limites, defeitos, fragilidade e pecados. Jesus diz: “Não são os saudáveis ​​que precisam do médico, mas os doentes. Vá e aprenda o que significa: Misericórdia, eu quero e não sacrifícios. Eu não vim chamar justos, mas pecadores "(Mt 9: 12-13).

Isso não significa que nada faço para mudar aqueles pedaços de mim que não estão na linha do amor; isso não significa que o compromisso não seja necessário; tanto Deus me aceita como eu; não significa estar satisfeito com minha mediocridade. De fato, quanto mais me sinto amado, mais meu não saber amar pesa sobre mim. Quanto mais reconheço que ele fez tudo por mim, mais me sinto pecaminoso por não devolvê-lo. Quanto mais me sinto procurado, mais esqueço o meu esquecimento dele, a traição do pecado, sem saber amar as pessoas que tenho perto de mim.

Conhecer-me amado me leva a amar, por sua vez. E isso me leva a devolver o amor a ele e às pessoas que ele colocou ao meu lado, como Jesus fez: saber que eu sou amado também me faz andar no deserto com confiança.

 

Amados amamos (1/2)

Questo sito utilizza i cookies. Continuando la navigazione acconsenti al loro impiego. Clicca qui per maggiori dettagli

Ok